Cobrar dívidas judicialmente: saiba como fazer

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestShare on Google+Email this to someone

Em época de crise, é inevitável que surjam casos de inadimplência pelo caminho de uma empresa. Nesses casos, após muita insistência, pode existir apenas uma alternativa: cobrar dívidas judicialmente. Se todas as tentativas de acordo ou parcelamento foram esgotadas e isso já está prejudicando seu caixa, recorrer à justiça é uma medida inevitável.

Reequilibrar as contas e evitar que devedores possam comprometer a saúde financeira da empresa é a principal tarefa de um setor financeiro de uma organização. Contudo, muitas vezes, é preciso contar com a assessoria jurídica especializada de um advogado de direito empresarial.

Para cobrar dívidas judicialmente é preciso muita calma e, é claro, ter meios para tal. Contratos firmados, folhas de pagamento que comprovem o vínculo e todos os outros detalhes que confirmem a veracidade da inadimplência são indispensáveis nesse momento. Elaboramos esse post com dicas para facilitar a cobrança de dívidas e evitar que sua empresa seja prejudicada por pendências ou irregularidades nas receitas mensais. Confira!

Orientações para cobrar dívidas judicialmente

cobrar dívidas judicialmente

Saiba tudo sobre como cobrar dívidas judicialmente

Busque um acordo

Em primeiro lugar, é muito importante buscar o diálogo e a resolução de conflitos, até mesmo nas negociações empresariais e comerciais. Antes de partir para as vias judiciais, que tal tentar fazer um acordo para quitação de débitos? Na maioria das vezes a inadimplência ocorre não por má-fé, mas sim por alguma dificuldade financeira. Caso seja esse o problema, uma reunião para verificar possibilidades de regularização ou até mesmo de parcelamento da dívida.

Entretanto, destaca-se que caso credor e devedor entrem em acordo quanto às condições e formas de pagamento dos débitos, isso precisa ser formalizado de alguma maneira. Por isso, caso seja marcada alguma reunião ou conversa para buscar um acordo, ambas as partes podem convocar advogados especializados em direito empresarial para que estes façam a mediação da conversa e, por consequência, o registro do que foi acordado em um contrato.

Se as obrigações firmadas forem cumpridas sem maiores problemas, sua empresa sairá ganhando em muitos aspectos: o desgaste financeiro e pessoal que uma cobrança judicial pode causar é muito grande e, por isso, um acordo de colaboração que seja benéfico para ambas as partes é sempre a melhor via.

Faça contratos para evitar a perda de recursos

Sabemos que, mesmo que a maioria das dívidas ou inadimplências não sejam motivadas pela má-fé dos devedores, esse cenário existe. Por isso, os contratos são tão importantes: a assinatura desses documentos possibilita que você faça a cobrança judicial caso um acordo não seja possível.
Os contratos devem prever o valor dos serviços prestados ou dos produtos vendidos, as formas de pagamento e, ainda, os prazos para quitação dos débitos. A existência de um contrato detalhado desde o início da relação comercial diminui os pontos obscuros que podem causar conflito, e facilitam a recuperação dos créditos, seja por auxiliar em uma renegociação, seja por instrumentalizar uma eventual cobrança judicial.

Acompanhamento de advogado especializado em direito empresarial

Desde a tentativa de fazer acordos até a cobrança judicial de fato, é preciso tomar algumas precauções. Além disso, para evitar a perda de recursos ou, inclusive, o desgaste com algum parceiro comercial que esteja enfrentando dificuldades financeiras, o apoio e orientação de um advogado empresarial pode fazer toda a diferença.

A mediação e a representação feita em uma assessoria jurídica facilitam a cobrança de dívidas. Além disso, o cuidado durante todo o processo evita que uma simples demanda torne-se um grande problema, com processos que se arrastam por anos. Informe-se e facilite a resolução de problemas pela melhor via possível, pois isso irá refletir-se positivamente na receita da sua empresa.


Gostou do post? Este artigo foi escrito com orientações de Larissa Franzoni, advogada especializada em Gestão e Direito Tributário, e Direito de Família e Sucessões. Caso tenhas alguma dúvida com relação ao assunto abordado, fique à vontade para escrever um e-mail: larissa@franzoni.adv.br. Aproveite para curtir nossa fan page no Facebook e para acompanhar nossas atualizações no Instagram e no Twitter!

LEMBRE-SE: este post tem finalidade apenas informativa. Não substitui uma consulta a um profissional. Converse com seu advogado e veja detalhadamente tudo que é necessário para o seu caso específico.